Desvendando o brilho intenso de Bhaskar

O fogo, o brilho, a luz. Bhasa = luz; kara = criador. Para os indianos, Bhaskara é o Sol. Para os brasileiros, despede-se da última vogal e então Bhaskar é o talentoso DJ que produz igual brilho nas pistas e nos corações dos ouvintes. Sua história vem de berço: Ekanta a mãe, Alok o irmão, Swarup o pai, todos parte de um círculo familiar nuclear que respira música eletrônica e contribui para o cenário há décadas.
O goiano naturalizado brasiliense começou nos beats aos 12 anos e trilha hoje um caminho solo bem frutífero na dance music nacional. Atingindo recentemente a marca de 2 milhões de ouvintes mensais no Spotify — fato que o tornou o terceiro artista de dance music mais ouvido do país no serviço de streaming — Bhaskar é um dos representantes do selo UP Club e um dos mais proeminentes líderes da nova onda de música eletrônica que valoriza com mais afinco o som que vem de dentro do país.

“As comparações com o restante da família são comuns, mas acho que chegamos em um ponto onde cada um tem sua identidade tão formada que não dá mais pra comparar. Cada pessoa vai ter sua preferência.” — Bhaskar Petrillo 

 

 
A herança musical, entretanto, não garante sozinha essas radiações cada vez mais potentes e base de fãs cada vez maior. Para chegar onde chegou, Bhaskar trabalhou bastante. Conseguiu firmar-se no cenário com um som que busca sempre superar suas barreiras criativas e nunca fazer algo abaixo do bem-feito. Um exemplo disso é seu remix para “Your Body”, do Cat Dealers, faixa que Bhaskar revigorou do começo ao fim, sem se apegar a uma releitura trivial de uma track estilo “pega a mesma base e só muda o drop”, como fazem dezenas de DJs por aí.

“Eu diria que meu som é o mais melódico da família. Sempre tento fazer algo que realmente toque as pessoas. Diria também que meu som é bem limpo, dá pra escutar cada elemento da música em seu devido lugar.” — Bhaskar

 

 
Dentre outros sucessos de Bhaskar, o mais recente é “Only You”, produzido junto ao garoto-prodígio Illusionize, mesclando o lado melódico do primeiro e o lado “gravíssimo” deste último. A faixa promete seguir os passos do super-hit “Fuego” nas pistas e nos charts. Expondo suas facetas mais flexíveis, Bhaskar já fez remixes para a versão de Silva para “Infinito Particular”, da Marisa Monte — de quem Bhaskar é fã confesso — e para a sensação do funk Mc Fioti, com a faixa “Tam Tam”.
Quando a conversa direciona-se para seus shows ao vivo, os quais Bhaskar guarda na memória com carinho, ele é categórico em relação a três apresentações específicas: “Tive vários momentos bem especiais, mas se eu fosse citar três deles, diria a minha primeira gig internacional, que foi no Vietnã, e as minhas apresentações no Tomorrowland e no Ultra Brasil.”

 
Crescer já nos bastidores e no meio artístico tem suas vantagens e desvantagens. Muitas viagens, trabalho árduo, compromissos intermináveis, status e imagem… mas Bhaskar demonstra ter ambos os pés no chão e procura ter seus valores intactos, mesmo com os tantos estímulos que a vida artística pode oferecer diariamente.
 

“Acredito que o segredo é saber que em primeiro lugar fica o amor pelo que se faz. Sempre enxerguei a música com olhos além do que a fama poderia me trazer. É a minha paixão, e continuaria fazendo música por amor, independente de ter os resultados que estou tendo.”  — Bhaskar

 

 
Atuando em campos para além dos palcos, Bhaskar também participa da produção do Universo Paralello, negócio da família onde foca na curadoria e gerenciamento dos palcos Mainfloor e UP Club. Em meio a tantos afazeres, Bhaskar nos lembra que a palavra-chave da produtividade é o equilíbrio: “Primeiro aprendi a dar valor ao tempo de folga. É ótimo estar com a vida agitada, mas precisamos saber aproveitar o descanso quando tivermos acesso a isso. Segundo, aprendi que cochilos de 30 minutos são valiosos e ajudam no meu rendimento!”
 
Com agenda lotada, tracks em destaque, colaborações relevantes, fãs apaixonados e um momento de grande ebulição criativa nos estúdios, Bhaskar prossegue percorrendo seu trajeto em passos largos e propagando sua luz no mercado da música eletrônica nacional. Se você perguntá-lo qual o seu objetivo para o futuro, Bhaskar será direto e certo:

“Acredito mesmo que o som dos brasileiros, por ser algo novo e cativante, vai invadir o mundo e me vejo fazendo parte desse movimento da música eletrônica nacional se tornando internacional. Me vejo como um desses representantes.” — Bhaskar